29.10.13

2ª Edição do BundtMania - Halloween




Quando a Lia me desafiou para a BundtMania, nunca pensei que na 1ª Edição tivesse tantas participações!! E nos últimos dias elas apareciam por todo o lado e chegaram mesmo a aparecer no ultimo minuto!!

Foram 33 maravilhosos Bundts que fizeram as minhas delícias e acho que as de todos aqueles que participaram e viram o Round-Up.

Com a chegada da 2ª Edição, a Lia sugeriu o tema Halloween. Eu disse que sim, que me parecia perfeito, apesar de ser uma tradição que não estou habituada e que sinceramente não gosto muito. É tudo muito macabro e assustador!!

A única parte que gosto mesmo, é a dos doces!! Nem mesmo as partidas me fazem muita graça!!

Quando soube do tema, a minha cabeça começou às voltas! E andei uns dias em que não me lembrava de nada! E depois a falta de decoração também me preocupava... Mas o que me importava mesmo era o Bundt!!! 

Nada de muito assustador mas com a alusão ao símbolo do Halloween! Ou seja, a abóbora!

Mas mesmo sendo uma aboborazinha, nao tem mesmo nada de assustador!! Resolvi experimentar a pasta de açucar, fondant, como lhe queiram chamar! E apesar de não ter ficado mal, tenho que mostrar aqui o meu reconhecimento a todas, sim porque so conheço meninas, que dominam esta área. Além de imensa paciência, que ultimamente está esgotada na farmácia e a minha ainda não está nos níveis normais, a arte que estas meninas têm.





Tive que chatear a Kinhas umas quantas vezes e com perguntas chatinhas, mas depois de entender tudinho o que ela me disse, consegui o que queria!


Bundt Cakes Halloween
(receita adaptada do Sour Cream Bundt Cake do livro Kiss My Bundt e a inspiração para as abóboras veio daqui)





Ingredientes:
(12 mini-bundts)

- 40 gramas de pepitas de chocolate negro
- 1 colher de chá de farinha
- 1/2 colher de chá de Cointreaux (licor de laranja)
- 1 ovo tamanho L (temperatura ambiente)
- 115 gramas de manteiga (temperatura ambiente)
- 120 gramas de crème frâiche
- 1 colher de chá de essência de baunilha
- 125 gramas de farinha peneirada
- 40 gramas de amêndoa moída
- 100 gramas de açúcar
- 1/2 colher de chá de fermento em pó
- 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio
- 1 pitada de sal
- 1 colher de chá de essencia de laranja


Para fazer as abóboras:
- pasta de açucar cor de laranja*
- pasta de açúcar verde*
- 100 gramas de queijo creme (usei Philadelphia)
- 50 gramas de açucar em pó
- pintarolas

* Quanto à pasta de açúcar não posso precisar a quantidade que usei, porque usei pasta branca e com corante em gel fiz as pastas cor de laranja e verde. Normalmente já se encontram as pastas de açúcar nessas cores, mas eu tinha cá por casa um pacote que precisava de ser usado.


Execução:

Numa taça colocar as pepitas de chocolate, o Cointreaux e a colher de chá de farinha. Mexer e reservar.

Pré aquecer o forno a 175ºC.

Numa taça colocar a manteiga e bater durante 2 a 3 minutos. Juntar o açúcar e bater até a mistura fica esponjosa.

Numa taça juntar a farinha peneirada, com o fermento, o bicarbonato, o sal e a amêndoa. Misturar as essências com a crème frâiche e reservar.

Juntar o ovo e bater bem. Adicionar 1/3 da creme fraiche, seguido de 1/3 da farinha, batendo bem entre cada adição, terminando com a farinha.

Adicionar as pepitas de chocolate sem bater.

Untar as formas de mini bundts e encher de massa até 3/4. Levar ao forno durante 20 minutos ou até que o palito saia limpo.

Deixar arrefecer sobre uma grelha durante 15 minutos e desenformar. Deixar arrefecer por completo.




Misturamos o queijo creme com o açucar em pó e batemos bem até termos uma textura cremosa, mas espessa.

Com a ajuda do rolo da massa, normalmente têm que ser de silicone e na falta de um destes, revestimos de pelicula aderente, esticamos uma porção de pasta de açúcar cor de laranja de modo a obter um círculo com mais ou menos 2mm de espessura, o suficientemente grande para cobrir os mini bundts.

Quando tiverem frios os mini bundts, colocamos um pouco de creme de queijo na base de um mini bundt colocando outro por cima. Revestimos todo o conjunto com o creme, colocando por cima do círculo de pasta de açucar. Antes de fechar, colocamos no meio pintarolas.




Fechamos então a nossa abobora, apertando suavemente a massa para que se pegue ao bolo. Damos a forma de uma abóbora e com um pau de espetada fazemos os olhos e a boca. 

Com a pasta verde, fazemos pequenos rolinhos e colocamos sobre a abobora, colando com uma gotinha de água. Para fazer o topo, enrolamos um pedaço de massa verde e colocamos na parte superior da abóbora. 




Apesar de não ser a minha arte, quando me vi com a pasta de açúcar fiz de conta que era um pedaço de plasticina. Perfeito não está, mas pelo menos consegui o que queria.
E até me deu pena comer estas meninas! Mas o melhor mesmo é o interior....

Quando os catraios viram as abóboras fartaram-se de rir!! E mal eles sabiam o que estava dentro delas!!




Afinal o melhor é mesmo o que está dentro!! Uma sugestão engraçada e que os deixou contentes, porque além de bolo, havia pintarolas!!

Agora é a vossa vez! Onde está o vosse bundt para esta edição? Esperamos por vocês, AQUI.

Trick or Treat??

26.10.13

Se te derem limas....



Com o passar do tempo, há coisas que me vão faltando lá pelas minhas gavetas! Ainda assim no meio de tanta "quinquilharia", não se pode ter tudo.

E neste caso faltam-me termómetros para a cozinha! Pelo que sei existem vários, mas acredito que as coisas se possam fazer sem eles, a não ser que se tenha que ser muito preciso! Até ao dia de hoje nunca utilizei, nem para a carne, nem para os doces, mas por este andar um dia destes tenho que sair em busca de um.

Sim porque os termómetros de medir a febre não servem, pois não??

Eu sei que não servem, mas lá em casa e desde que os miúdos nasceram, os termómetros servem apenas para confirmar os graus que têm! Quando estava na maternidade as enfermeiras diziam que tinha que pôr o termómetro da água para poder dar-lhes banho! E eu os primeiros dias até o fiz, mas a água ficava muito quente! O melhor truque para saber se a água para eles estava boa, era meter o meu cotovelo na água! E raramente me enganava! Isso os lábios na testa para saber se têm febre! 

E esta conversa toda vem no seguimento da receita de hoje. Voltamos com as Dorie's. Desta vez a receita é desafiante, mas não seja por causa dos termometros. Assim que lhe pus a vista em cima, sabia que a ia fazer, com ou sem o dito. A receita original podem vê-la nos ficheiros do grupo e aqui apresentarei a minha tradução, ignorando a parte das temperaturas que não usei.





E se a vida te dá limas, faz Tarte Cremosa de Lima Merengada.


Tarte Cremosa de Lima Merengada
(Creamiest Lime Cream Meringue Pie, do livro Baking, pág.337)

Deixo a receita com os ingredientes na totalidade, mas fiz apenas metade da receita.






Para o recheio:
- 1 cup de açúcar (100 gramas)
- Raspa de 3 limas
- 4 ovos tamanho L temperatura ambiente
- ¾ cup (180 ml) de sumo de lima ( +/-6 limas)
- 1 pedaço de jengibre de 2 cm descascado e finamente ralado
- 2 colheres de sopa de amido de milho
- 2 ½ sticks de manteiga (287 gramas de manteiga sem sal à temperatura ambiente, cortada em pedaços do tamaño de colheres de sopa

Execução:
Colocar uma panela com 2 a 3 dedos de água e colocar ao lume.
Numa taça de pirex refratário colocar o açucar e a raspa das limas. Esfregar com as mãos até que se desprenda todo o perfume.

Juntar os ovos, seguidamente do sumo de lima, o jengibre e o amido de milho.
Colocar a taça sobre a panela com água a lume médio. Com uma vara de arames, ir mexendo assim que a mistura se encontre tépida.

Mexer constantemente para evitar que os ovos talhem. O creme começará a ficar com espuma e começará a engrossar. À medida que vai engrossando, vão-se criando bolhas ainda maiores, significando isto que estará quase pronto. Mexer sempre sem parar e assim que fique como uma “estrada” o creme está pronto!

Dependendo da força do calor usado esta operação pode demorar mais de 10 minutos.

Retirar a taça e coar o creme. Colocar na taça da batedeira ou num procesador de alimentos e deixar arrefecer durante 10 minutos.

Bater o creme com a batedeira a máxima velocidade, juntando os pequenos pedaços de manteiga por partes.  Com uma espátula baixamos o creme que fica nos lados.

Depois de incorporada toda a manteiga continuar a bater durante 3 minutos. Se a máquina sobreaquecer, podemos fazer uma pausa de 1 minuto e voltar a bater.

Colocar o creme num recipiente com tampa e deixar repousar como mínimo 4 horas no frigorífico antes de usar, ou toda a noite.
( O creme pode ser congelado até dois meses).

Graham Cracker Crust
Para uma forma de 22 cm
- 16 bolachas digestivas reduzidas a migalhas
- 3 colheres de sopa de açúcar
- 1 pitada de sal
- 1/2 stick de manteiga derretida e fria (57 gramas)

Untar com manteiga a forma. No meu caso usei uma multiple de silicone.
Misturar as bolachas com o açúcar, a pitada de sal e a manteiga derretida. Mexer bem até obter uma pasta. 
Colocar a mistura na forma e distribuir pelo fundo e pelos lados. Guardar no congelador 10 minutos enquanto se aquecemos o forno a 180ºC.
Levar ao forno 10 minutos até que os bordos estejam dourados. Retirar e deixar arrefecer. Reservar.

Para o meringue:
- 4 claras de ovos (tamanho L) temperature ambiente
- ½ cup de açucar (100 gramas)

Bater as claras a velocidade media com a batedeira. Assim que se tornem mais opacas, juntar o açucar em chuva e continuar a bater até obter picos firmes e brilhantes.
Ligar o grill do forno.





Montagem da tarte:
Retirar o creme do frigorifico e mexer energicamente. Verter sobre o crust e de seguida colocar o merengue às colheradas, cobrindo bem o creme de lima tocando na extremidade da tarte, visto que no forno o merengue irá encolher.
Colocamos a tarte no forno e deixamos que o merengue fique dourado**. Deixar arrefecer sobre uma grelha durante 15 minutos e reservar no frigorífico durante 3 horas, antes de servir.

** O merengue pode ser queimado com um maçarico de cozinha!!





Não vou dizer que é fácil, mas se for planeada com antecedência não é complicada de se fazer! 
O gostinho citrico das limas na cremosidade de um creme vale bem a pena, para toda esta trabalheira.





No fim de tudo isto, o merengue é mesmo o mais fácil de fazer!!
Opss, enganei! O mais fácil mesmo, é comer depois de pronta!!

Por isso se vos derem limas, façam tarte!!
Alguém é servido??

23.10.13

Comecem pela sobremesa!



Normalmente gosto de ficar por casa nos dias de folga e fazer alguma coisinha nova para colocar no blog! Aproveito enquanto os catraios vão para a piscina e gestiono o tempo da melhor maneira!! Mesmo sendo um dia de relaxamento, eu só sei que ontem cheguei ao fim do dia, como se tivesse passado um camião por cima!


Às vezes tenho a sensação que tenho inquilinos em casa e que não ajudam na manutenção! Isto para não falar nas desarrumações que fazem os pequenos e, quando se ouve a palavra recolher os brinquedos, eu só oiçó: Não fui eu!


Eu farto-me de rir quando os vejo discutir sobre quem arruma e quem desarruma! E acabamos sempre no mesmo! Quem arruma é aqui a Je! Um dia destes vou-lhes esconder os brinquedos todos! Num instantinho vão saber que as coisas têm o seu sitío!


No meio de tanto cansaço vou ter que ir à farmácia e comprar umas vitaminas!

E uma vitamina para alma são estas tacinhas que vos trago hoje!

A receita descobri-a por acaso neste Blog, quando lia a diferença entre os tipos de cacau que se podem usar. E isto é como as bolachas, quando começas, não consegues parar. Espreita aqui, espreita ali e, estas tacinhas saltaram pró meu ecrã. Ainda estou para descobrir como é que eu fiz aquilo, mas assim que cheguei a casa comecei a preparar tudo. 

Maldição, pensei! Falta-me a Maizena! Faço com farinha normal!!! Bahhhh.... Desastre absoluto! Ou melhor, ficou apenas mais líquido! Mas voltei a repetir e a fazer as coisas como têm que ser!

E digo como têm que ser, porque leva leite gordo, porque tem que ser! Porque leva natas com + de 30% de gordura porque tem que ser! E eu costumo dizer que aquilo que tem que ser, tem muita força!

Tirando este "pequenino" aparte de calorias(risos) é daquelas sobremesas, que nos dá vontade de começar por elas!


Duo Pudim de Amendoim e Chocolate
(para 5 copinhos de 200 ml)


Ingredientes:

Para o pudim de manteiga de amendoim:
- 30 gramas de açúcar mascavado claro
- 1 colher de sopa de amido de milho (usei Maizena)
- 1 pitada de sal
- 250 ml de leite gordo
- 60 gramas de manteiga de amendoim sem pedaços
- 60 ml de natas + 30% MG
- 1 colher de chá de essência de baunilha

Para o pudim de chocolate:
- 30 gramas de açúcar mascavado claro
- 1 colher de sopa de amido de milho (usei Maizena)
- 1 pitada de sal
- 250 ml de leite gordo
- 1 colher de sopa de cacau sem açucar
- 60 gramas de chocolate de leite finamente picado
- 60 ml de natas + 30% MG
- 1 colher de chá de essência de baunilha

Para a decoração:
- 125 ml de natas +30% MG
- 1 colher de açucar em pó
- cacau para decorar
- confetis de chocolate (opcional)




Execução:

Os pudins devem ser feitos por separado começando pelo pudim de manteiga de amendoim.

Numa panela, de preferencia de fundo grosso, colocar o açúcar, o amido de milho, o sal e misturar. Pode haver uns pequenos grumos, mas com a adição do leite e o calor, desaparecerão.

Juntar o leite e as natas. Colocar a lume médio, mexendo de vez em quando.

Assim que começar a engrossar mexemos constamentemente para evitar que se agarre e queime. Sabemos que está pronto quando tiver a textura de um leite creme.

Retira-se do lume e adicionamos a manteiga de amendoim e a baunilha. Mexemos bem para incorporar e colocamos nos copinhos/tacinhas, até mais ou menos metade. Deixamos arrefecer um pouco e colocamos no frigorifico.

Para o pudim de chocolate colocamos, colocamos numa panela, o açúcar, o amido de milho, o sal, o cacau em pó e mexemos.

Juntamos o leite e as natas. Colocamos a panela em lume brando e vamos mexendo ocasionalmente. Assim que começa a engrossar mexemos constantemente para evitar que se pegue. Terá que ficar com a mesma textura do pudim anterior.

Retiramos a panela do lume e adicionamos o chocolate finamente picado e a baunilha. Mexemos bem para que o chocolate se derreta. 

Deixamos arrefecer ligeiramente e colocamos nos copinhos/tacinhas sobre o pudim de manteiga de amendoim. Deixamos no frigorifico toda a noite.




Antes de servir batemos as natas com a essência de baunilha e o açúcar, até obtermos um chantilly firme. Com um saco de pasteleiro, fazemos pequenas estrelas, flores por cima da camada de chocolate e polvilhamos com cacau em pó. Servimos bem frescas.




No dia em que experimentei esta sobremesa e não ficou como eu queria, já me soube pela vida. Da 2ª vez, foi sentar-me na mesa e fechar os olhos e saborear.
A diferença de sabores é incrível e é daquelas sobremesas, que quando se vê o fundo ao copo, pensamos: Já acabou?

O efeito visual é bonito e para um almoço ou jantar mais especial, esta sobremesa assim arranjadinha dará nas vistas!

Sabem que vos digo? Comecem pela sobremesa!

20.10.13

Ficas de castigo!


Quando comecei nesta aventura, perdia-me pela blogosfera à procura de Bundts. E passava eternidades a deixar-me encantar com estes bolos fantásticos que eu adoro.
No Pinterest era onde eu encontrava as fotografias mais bonitas e que me chamavam à atenção. Entretanto até eu criei para lá uma conta, mas se querem saber a verdade não me entendo muito bem com aquilo. Também ou experimento coisas novas ou fico sentada! Não me importava nada de poder fazer as duas coisas ao mesmo tempo, mas parece-me a mim que será complicado!


Apesar da minha filha achar que sou extra-terrestre e dizer que tenho 5 mãos!! E às vezes bem falta me faziam!!


Os tempos de crise também se notam por aqui. Sendo um ponto de passagem e turístico, se os vizinhos não têm poder aquisitivo, as ruas da minha Sibéria transformam-se no faroeste. Só falta mesmo que apareçam uns bultos de palha a rebolar e as portas a ranger. Às vezes aproveito para matar o tempo morto e dou umas escapadas à internet.


Foi o que aconteceu com este Povitica (poh-vee-TEET-sah) em croataPotica (poh-TEET-sah) em esloveno. O difícil mesmo é traduzir estes nomes que são uma marca na gastronomia destes países. Era o mesmo que tentarem traduzir a nossa Broa de Milho. Broa é broa, e essa é muito nossa (ora aqui está uma receita pendente para mim).


Por aquilo que li este pão não é mais nem menos que um rolo de massa lêveda, pouco doce, com recheio. Normalmente com nozes e chocolate, mas as versões são mais que muitas.

Este tipo de pão é feito para festividades, para reuniões familiares e é um excelente acompanhante para o pequeno almoço ou mesmo para uma sobremesa.

Quando uma família oferece um Povitica a outra, demonstra assim o respeito que tem por ela.


Estava montado o caos na minha cabeça! Ainda estava no trabalho mas, mentalmente já tinha organizado o jantar, os banhos, a operação pijama e este pãozinho absolutamente fantástico.


Povitica (Pão Croata com recheio de nozes e cacau)

Receita retirada daqui.





Ingredientes:

Para activar o fermento:
- 1/2 colher de chá de açúcar
- 1/4 colher de chá de farinha
- 2 colheres de sopa de água morna
- 1 1/2 colher de chá de fermento granulado

Para a massa:
- 120 ml de leite gordo
- 40 gramas de açúcar
- 3/4 de colher de chá de sal
- 1 ovo L (temperatura ambiente)
- 1 colher de cha de essência de baunilha
- 40 gramas de manteiga sem sal derretida
- 300 gramas de farinha de trigo (tipo 55) + farinha para a bancada

Para a cobertura:
- 1 clara de ovo ligeiramente batida
- Açúcar em grão
- 1 colher de sopa de manteiga derretida (não usei)

Para o recheio:
- 280 gramas de nozes inteiras ( usei 250 gramas de nozes + 30 gramas de amêndoa moída)
- 60 ml de leite gordo
- 58 gramas de manteiga sem sal
- 1 gema de ovo
- 1 colher de chá de essência de baunilha
- 110 gramas de açúcar mascavado claro
- 3 colheres de sopa de cacau sem açucar
- 1 colher de chá de canela em pó
- 1 colher de sopa de manteiga derretida





Para activar o fermente colocamos numa taça pequena, o açúcar, a farinha, o fermento e a água morna e mexemos. Tapamos com película aderente e deixamos repousar durante 5 minutos.

Para fazer a massa aquecemos ligeiramente o leite com a manteiga. Colocamos o açúcar numa taça, o sal e adicionamos o leite com a manteiga. (O leite deve estar morno).

Juntamos seguidamente o ovo batido, o fermento e finalmente adicionamos a farinha. Envolvemos tudo e colocamos sobre a bancada bem polvilhada com farinha.

À medida que vamos amassando adicionaremos a farinha necessária, para que a massa se torne elástica e suave, mas sem que se pegue.

Amassamos a massa durante 5 a 10 minutos e colocamos numa taça limpa, untada com óleo e tapamos com película aderente e deixamos repousar durante 2 horas, ou até que duplique o tamanho.

Enquanto leveda a massa preparamos o recheio picando as nozes, juntamente com o cacau, o açucar e a canela. Ao picarmos as nozes com o açúcar evitaremos que se torne numa pasta.

Aquecemos o leite e derretemos a manteiga. Coloca-se a mistura das nozes numa taça e adicionamos o leite e a manteiga e, envolvemos bem.

Juntamos a essência de baunilha e por fim a gema de ovo, envolvendo bem a mistura. Reservamos. ( O recheio fica com uma textura parecida à nutella mas mais fluida e com a presença de um granulado. Se ficar muito espesso, podemos adicionar um pouco mais de leite morno).

Numa superficie grande, bancada ou mesa, estendemos um pano limpo ou folhas de papel vegetal e, polvilhamos com bastante farinha.

Colocamos a massa depois de levedada ao centro e começamos a esticar. Vamos levantando a massa e colocando farinha se necessário. Formamos um rectângulo de 40 x 60 de massa fininha. Tão fina, mas não que se rompa, que quase podemos ver o papel ou o pano que esteja por baixo. 

Pincelamos o rectângulo com a manteiga derretida e seguidamente espalhamos com a ajuda de uma espátula o recheio de nozes e cacau.

Enrolamos pela pela parte mais larga.

Espreitem este VÍDEO que mostra todo este processo e é simplesmente fantástico.

Depois de enrolado, formamos um U com o nosso rolo e, dobramos as pontas para o interior.

Colocamos numa forma de pão inglês devidamente untada ou forrada com papel vegetal. Pincelamos com a clara batida e polvilhamos com açucar em grão, ou açucar normal.

Pré-aquecemos o forno a 180ºC deixando que a massa repouse durante 15 minutos.

Findo este tempo levamos ao forno durante 15 minutos a 180ºC e baixamos a temperatura para 150ºC e deixamos cozer durante 30 a 45 minutos. Ao 30 minutos de cozedura verifcamos o pão e se começa a ganhar demasiada cor, tapamos com uma folha de alumínio.

Fazemos o teste do palito e retiramos do forno, deixando arrefecer sobre uma grelha e dentro da forma.





O efeito visual deste pão foi o que me chamou à atenção, sem antes ler os ingredientes. A receita original é pincelada com café forte, mas dei-me conta que em casa não tinha.

A crosta fica super, hiper, mega crocante!! E os pequenos grão de açúcar derretem-se na boca! É sem dúvida um pão perfeito para o pequeno almoço, lanche ou até mesmo sobremesa.





O único defeito que tem, por ser tao estaladiço, é ter que se cortar ao contrário. Mas ainda assim quando salta aquela capinha docinha e estaladiça faz-nos viajar!!

Um pão que tem tanto de bom, como de frágil enquanto morno. Por isso se deve deixar arrefecer dentro da forma e comer só depois de frio.





Por causa deste pão, de nome complicado, mas pleno de sabores, vou ficar castigada! Não volto a ir ao Pinterest, para não me deixar tentar por beldades como esta e outras.

Sim porque já vi que este é só um exemplo de recheio e que se podem combinar uma infinidade de sabores! Está a imaginar um recheio de queijo créme? Ou de leite condensado e coco, ou....

Estou castigada, mas vocês não! A ver se alguém se sente tão tentado como eu e repete o mesmo recheio ou outro!!

Seja como seja, este é sem dúvida a melhor recompensa do meu castigo!!

Alguém quer chá?

18.10.13

Pózinhos mágicos




Sempre que vejo uma abóbora, quer queira quer não, lembro-se sempre da carruagem da Cinderela!

Acho que vejo demasiados desenhos animados, mas há aquelas coisas a que eu acho piada! Eu vi nos meus tempos de criança e agora são os meus pequenos que vão vendo estas pequenas maravilhas.

Sim porque eu faço questão que vejam, mas aqueles que são bons e que eu me dou ao trabalho de procurar pela internet. Infelizmente nos canais a que tenho acesso, digamos que os desenhos animados que se apresentam, não são os meus favoritos!

Às contas disso tenho uma pequena que se quer transformar em Monster High e um pequeno que me está sempre a dizer que quer o cabelo como o Songoku e o Vegeta! 

Haja paciência!




Esta abóbora não se transformou em nenhuma carrugem, porque a minha varinha mágica está avariada! Mas visto que o tema deste mês de Outubro do Vamos Fazer Bolachas, do blog Cravo e Canela - Uma cozinha no Brasil, da Manuela, é os sabores, as formas do Outono, resolvi transformá-la em Whoopies!!

E whoopies que se prezem têm que ter recheio!! Ou seja, uma abóbora transformada em pequenas porções de pecado! Onde se misturam o incrivel aroma das especiarias e a cremosidade do recheio!


Whoopies de Abóbora com recheio de Queijo Creme
Receita retirada daqui.


Ingredientes:
(Para 30 bolachinhas)

- 260 gramas de farinha 
- 200 gramas de açucar mascavado claro
- 1 colher de chá de bicarbonato de sodio
- 1/2 colher de chá de fermento em pó
- 1/2 colher de chá de sal
- 1/2 colher de chá de canela em pó
- 1/4 colher de chá de gengibr1e em pó
- 1/4 colher de chá de noz moscada em pó 
- 1/8 colher de chá de cravinho em pó
- 60 gramas de manteiga sem sal à temperatura ambiente
- 200 gramas de puré de abóbora *
- 60 ml de leite temperatura ambiente
- 1 ovo tamanho L
- 1 colher de chá de essência de baunilha

Para o recheio:

- 200 gramas de queijo creme (usei Philadelphia)
- 2 colheres de sopa de manteiga sem sal temperatura ambiente
- 1 colher de cha de canela em pó
- 1 colher de chá de essência de baunilha
- 250 gramas de açúcar em pó




Execução:

Pré-aquecer o forno a 180ºC.

Numa taça misturar a farinha, o fermento, o bicarbonato, a canela, o gengibre, a noz moscada, o cravinho, o sal e reservar.

Colocar o açúcar com a manteiga numa taça e bater com a batedeira a uma velocidade média, até que fique uma mistura fofa e cremosa. Juntar o puré de abóbora, o leite, o ovo e a baunilha e bater bem até estar bem incorporado.

Juntar a farinha, envolvendo bem até que fique bem misturada.

Forrar o tabuleiro do forno com papel vegetal e colocar 1 colher de sobremesa de massa, deixando algum espaço entre elas.

Levar ao forno e cozer durante 9 a 10 minutos ou até que os bordes estejam douradinhos.

Deixar arrefecer 2 minutos sobre o tabuleiro e deixar arrefecer completamente sobre uma grelha.

* Para fazer o puré de abóbora normalmente costumo assar em vez de cozer. Para esta receita usei metade da abóbora da foto. Coloquei num tabuleiro, salpiquei com umas gostas de azeite e cobri com folha de papel de aluminio e cozeu no forno a 200ºC, aproximadamente 40 minutos. Deixa-se arrefecer por completo e retira-se a polpa da abóbora e trituras com a varinha. Pode congelar-se se não se utiliza a totalidade do puré de abóbora.




Enquanto arrefecem as whoopies preparamos o recheio de queijo creme. Numa taça colocamos o queijo, a manteiga, a baunilha e a canela. Batemos com a batedeira até obter uma textura cremosa.

Juntamos o açúcar em 2 partes batendo bem entre cada adição.

Para montar as whoopies colocamos um colher de sobremesa de recheio sobre a parte lisa de uma bolachinha e cobrimos com outra bolachinha.

Polvilhar com açucar em pó e canela. Podem comer-se de imediato ou guardar num recipiente hermético durante 2 dias (se durarem este tempo).




Decidi-me fazer estas bolachinhas um dia depois do trabalho. Deu-me um ataque e fui prá cozinha antes que me passasse a vontade.

O toque das especiarias é mágico e inebriante. Antes de as juntar com o creme, não as provem, porque correm o risco que desapareçam.





É simplesmente fantástico o sabor destas whoopies! E se lhe juntamos uma textura hiper fofa, com a cremosidade de um creme, é ouro sobre azul!

A fada madrinha não sabia destas whoopies, senão parece-me a mim, que a Cinderela não tinha ido ao baile! (risos)

Alguém vem lanchar?


16.10.13

World Bread Day




E assim de repente recebo um convite para um evento que se chama WORLD BREAD DAY.

A culpa foi da Isabel que me convidou e eu lá fui para ao blog da Zorra! Li e reli o post e pensei: Pão? Fazer Pão para a 8ª Edição do World Bread Day? Isto é muita areia para a minha camioneta.






Depois de da minha Butterzopf, já se seguiram outras experiências que me deixaram bastante satisfeita, mas como eu e o pão às vezes não funcionamos, tive que pensar no que poderia fazer.

Tive que recorrer ao meu bloco de anotações. Não é aquele pequenino que anda sempre atrás de mim! É tão simplesmente um caderno portfolio imenso, onde tenho imensas receitas apontadas e sempre com uma nota a dizer para fazer!

Foi numa dessas notas que encontrei o Partybrot. A receita estava no Sabores de Canela com a referência aos seus autores.

É um pão de origem alemã e pela decoração, faz um centro de mesa decorativo.

Quando li a receita nao tinha dificuldade absolutamente nenhuma, para uma azelha como eu. O problema é quando sou eu a complicar. Especialmente quando pego só nos ingredientes e nem sequer olho para o que está na receita.


Partybrot de Nutella






Ingredientes:

- 2 e 1/2 colher de chá de fermento seco ( um pacote de 5.5gramas)
- 250 ml de leite
- 60 gramas de manteiga sem sal
- 2 colheres de sopa de açúcar
- 2 ovos ligeiramente batidos
- 560 gramas de farinha de trigo ( usei T55)
- 2 colheres de chá de sal
- 19 colheres de sobremesa de Nutella
- 1 gema de ovo + 1 colher de sopa de leite (para pincelar)
- sementes de papoila e sésamo para decorar


Execução:

Aquecer 100 ml de leite no microondas até aos 37ºC, ou seja temperatura corporal. Colocar o fermento e deixar que se hidrate e dissolva.

Entretanto colocar o restante leite com a manteiga e aquecer até que esta se derreta. Atenção que o leite não deve estar muito quente.

Numa taça grande colocar a farinha, o açúcar e o sal. Fazer um buraco no meio e juntar os leites, seguidamente dos ovos ligeiramente batidos.

Misturar com a ajuda de uma colher de pau e terminar de amassar com as mãos. Colocar a massa sobre a bancada e amassar durante 5 minutos até obter uma massa lisa e elástica.

Colocar na taça e deixar levedar, até que duplique de volume, num local ao abrigo de correntes de ar.

Depois deste tempo, amassar a massa e retirar todo o ar. Dividir a massa em 19 bolas.

Moldar as pequenas bolas e espalmar cada uma delas. Colocar uma colher de nutella no meio e fechar bem a massa.

Forrar uma forma de aro amovível, de 22 cm, e colocar primeiro e junto à parte exterior 12 bolas, seguidas de 6 bolas e terminando com uma bola no meio.

Deixar levedar coberta com um pano até que dupliquem de volume. (Aproximadamente 40 minutos).

Ligar o forno a 200ºC. Pincelar o pão com a gema batida e polvilhar com as sementes a gosto.

Levar ao forno durante 30 a 40 minutos, ou até ficar douradinho. Retirar do forno e deixar arrefecer sobre uma grelha e cobrir com um pano até servir.

Pode comer-se morno ou frio.




Uma das coisas que aprendi com as minhas experiências de pão, é que há que ter muita paciência. Ora para amassar na falta de utensilios que o façam, ora para o tempo que a massa tarda em levedar. Seja como seja, o pão não se pode apressar e todos os seus passos, são fundamentais para um bom resultado.

Foi o caso deste. Apesar de não o ter feito num dia de folga, foi feito com paciência de Jó, o que me levou a uma maratona noite a dentro. Mas valeu a pena, porque no dia seguinte tinha pãozinho fresco e com recheio.




Sim porque pãozinho fresco com manteiga é muito bom, mas com Nutella é ainda melhor! E há lá melhor que adormecer com o cheirinho do pão acabado de fazer e acordar com ele ao pequeno almoço?

Há mas não é a mesma coisa!!!!

Alguém quer café?